Inestimável patrimônio

    
Chega sem avisar
Sem fazer cerimônia
Quando menos se espera
Está batendo a porta
Toc... Toc... 

É tempo que passa
É tempo que corre
É tempo que escorre
Pela ampulheta da vida
Toc... Toc... 

É tempo que finda
Mas tão rápido?
Não é suficiente
Preciso ter mais
Toc... Toc... 

O tempo não volta
Não olha para trás
Porque é areia que escorre
Pela ampulheta da vida
Toc... Toc... 

Bate a porta
Sem cerimônia
Chegou a hora
É implacável partida
Toc... Toc... 

É só um lembrete
De vida que passa
Sem outro meio
Chega ao final
Toc... Toc... 

Amar... Abraçar...
Conversar... Perdoar...
Contemplar... Elogiar...
Assim suaviza-se a saudade
Toc... Toc... 

(Autora: Aline Brandt - Todos os direitos reservados/Lei dos Direitos Autorais N° 9610/98)

Postagens mais visitadas